Personalidades

António José da Fonseca Moreira era filho de José António da Fonseca e de Joaquina Rosa Moreira.

Nasceu em Sendim – Felgueiras, a 23 de Julho de 1948. Com 14 anos de idade foi para o Rio de Janeiro num navio de vela onde se fez homem e, pelo exercício de um trabalho honesto, adquiriu avultados bens de fortuna.
Generoso, apoiou a construção do Teatro Fonseca Moreira, efetuou vários melhoramentos em Sendim e apoiou várias instituições do concelho.

Morreu, no Brasil, com 95 anos incompletos, a 3 de Junho de 1938, sendo posteriormente transladados os seus restos mortais, conforme sua vontade, para jazigo do cemitério da sua terra natal.

Bibliografia / Peças
  • Títeres do Diabo
  • A Passagem do Mar Vermelho
  • O Diabo no Paraíso
  • Diabo à Solta
  • Fantoches do diabo
  • Feitiço contra o Feiticeiro
  • Nunca
  • Fausto
  • Não é ele
  • Cynicos
  • Beijos e Abraços
  • Sobra do Diabo
  • Mel e Fel
  • O Amor e o Diabo
  • Reino da Loucura
  • Barão de Pombeiro
  • Filhos do Inferno
  • Mulheres do Pachá
  • O Diabo na Aldeia
  • Guerra às mulheres
  • Amor do Diabo
  • Amor e Saudade
  • A Estrela de Belém
  • Rua do Nuncio n.º 128
  • Bruchas e Phantasmas
  • Três Vezes Quatro
  • Diabos, Phantasmas e Credores
  • Os Vândalos
  • O Mundo é Assim
  • Lágrimas Perdidas
  • Loucuras na Mocidade
  • Lágrimas e Sorrisos
  • Filhos do Céu
  • Filhos do Purgatório
  • A Terra da Tromissão

O Notícias de Felgueiras de 7 de Junho de 1938 ao anunciar a morte de Fonseca Moreira, assinalada no concelho pela colocação da bandeira a meia haste nos edifícios da Câmara Municipal, Hospital Agostinho Ribeiro e Associação dos Bombeiros, ilustra a generosidade deste felgueirense, elencando as disposições do seu testamento, entre as quais se destacam os bens deixados:

  • Santa Casa da Misericórdia de Felgueiras – Cem contos de Reis;
  • Corporação do Bombeiros Voluntários de Felgueiras – Cinquenta contos de Reis;
  • Câmara Municipal do concelho – Cento e Vinte contos de Reis, sendo cem contos para construção de uma escola pública para ambos os sexos com a denominação de escola Fonseca Moreira e que será construída em local que for escolhido pelo Sr. Dr. José de Castro Leal de Faria, notário da vila de Felgueiras e vinte contos de reis para melhoramentos no Teatro Fonseca Moreira, com a condição de ser mantido esse nome no teatro.
  • Para melhoramentos a cada uma das igrejas das freguesias de Sendim, Pinheiro, S. Tomé de Friande e Santa Quitéria – Doze contos e quinhentos mil reis.
  • Este legado fica reduzido à quarta parte em virtude de por último o testador as restantes três quartas partes em benefício da continuação da estrada de Sendim que se denominará estrada Fonseca Moreira.
  • Para a construção de uma fonte no lugar da Estradinha – Dez contos de Reis;
  • Para melhoramentos nas estradas que dão para a Santa Quitéria – Dez contos de Reis;
  • Para ser distribuído pelo seu testamento aos pobres mais necessitados das freguesias de Sendim, S. Tomé de Friande e Pinheiro concelho de Felgueiras – Cinquenta contos de Reis;
  • Ao Jornal de Felgueiras - Cinco contos de Reis;
  • Aos Bombeiros Voluntários da Lixa - Dez contos de Reis;